Fraternidade e a Vida no Planeta

Postada por: José Raimundo
Cadastrada em: 14/03/2011 10:03:44

Por Dom Sergio da Rocha

Estamos para iniciar uma nova Campanha da Fraternidade, feliz iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que desde 1964, tem produzido inúmeros frutos, contando com a participação das comunidades católicas, de outras comunidades cristãs e de muitas entidades da sociedade civil. A Campanha da Fraternidade está intimamente ligada à Quaresma, tempo de preparação para a grande festa da Páscoa, através da oração, da penitência e da caridade. Quaresma é tempo de conversão e graça de Deus; por isso, deve ser tempo especial de vivência da fraternidade. É justamente para favorecer e estimular a vivência da fraternidade, especialmente, na Quaresma, que a Igreja Católica lança a Campanha da Fraternidade, a cada ano, na Quarta feira de Cinzas. Os temas da Campanha da Fraternidade inicialmente se referiam mais a vida interna da Igreja. Depois, foram contemplando cada vez mais aspectos da realidade social brasileira, nos quais a fraternidade deveria acontecer com especial empenho. Em geral, destaca-se um dos desafios da realidade brasileira, iluminando-o com a Palavra de Deus e estimulando a prática do amor fraterno e da solidariedade nos diversos níveis: pessoal, familiar, comunitário e social. Desde 1971, há a possibilidade de participação ampla das comunidades, paróquias e dioceses na definição dos temas, através de sugestões enviadas à CNBB. Assim sendo, o tema reflete uma necessidade sentida com urgência pelas comunidades na atual realidade brasileira.
 O tema da Campanha da Fraternidade deste ano - Fraternidade e a Vida no Planeta - é de grande atualidade, porém nem sempre devidamente conhecido e valorizado. Com ele, a Igreja no Brasil quer “contribuir para a conscientização das comunidades cristãs e pessoas de boa vontade sobre a gravidade do aquecimento global e das mudanças climáticas e motivá-las a participar dos debates e ações que visam enfrentar o problema e preservar as condições de vida no planeta”, segundo afirma o Texto-Base da Campanha. A escolha desse tema expressa o crescimento da consciência acerca da problemática sócio-ambiental, principalmente, do aquecimento global, assunto desconhecido até há pouco tempo. Resulta ainda da urgência de atitudes e medidas em favor da preservação da natureza, a fim de garantir a vida no planeta. Entretanto, tal perspectiva de defesa da vida e da casa comum, que é o planeta, tem suas raízes na própria fé cristã, principalmente, na teologia da Criação. Por isso, esse tema extremamente atual é iluminado por um lema inspirado na Bíblia, “A criação geme em dores de parto”, tomado da Carta de S. Paulo aos Romanos (Rm 8,22).
Assim como ocorreu nas outras Campanhas da Fraternidade, não se pretende oferecer as soluções técnicas para os problemas em questão, pois esta não é a tarefa própria da Igreja. O que se quer é colaborar para uma compreensão maior a respeito do tema, alertar para a gravidade da situação das mudanças climáticas provocadas pela destruição do meio ambiente e incentivar os cristãos e todas as pessoas de boa vontade a contribuir na busca de propostas para a superação do grave problema do aquecimento global e de outras formas de agressão à natureza. As pessoas devem tomar consciência de sua própria responsabilidade no enfrentamento dos problemas e na construção de uma nova sociedade alicerçada na fraternidade, por mais limitadas que possam parecer suas possibilidades de ação num campo tão vasto e complexo. É importante aproveitar o tempo da Quaresma e da Campanha da Fraternidade para a oração, a reflexão e os gestos de solidariedade fraterna, recordando-nos que somos todos corresponsáveis pelo cuidado da vida no planeta, dom do Criador.