NOTÍCIAS

Advento – tempo de espera e oração

Postada por: FELIPE SILVA
Cadastrada em: 27/11/2017 15:30:01

O Advento é um dos tempos do Ano Litúrgico e pertence ao ciclo do Natal. A liturgia do Advento caracteriza-se como período de preparação, como se pode deduzir da própria palavra advento que origina-se do verbo latino advenire. “É um tempo de espera d’Aquele que há de vir”, como bem define o padre Fabrício damasceno da Comunidade Nova Jerusalém.

Em entrevista concedida ao programa Em tuas Mãos (que vai ao ar no dia 03 de dezembro às 7 horas da manhã na Rede Meio Norte), o sacerdote reforça que pelo Advento nos preparamos para celebrar o Senhor que veio, que vem e que virá.

“É sabido que em todo início do Ano litúrgico marcamos as grandes etapas com atos penitenciais. Assim como o principal período do Ano Litúrgico é a Páscoa, marcado pela quaresma , então o começo do Ano Litúrgico é marcado por um período penitencial. E esta penitência, é importante que se diga, se faz em forma de espera, porque esperar também é penitencial”, esclarece o sacerdote que é também Vigário Paroquial da paróquia Nossa da Imaculada Conceição (Forania Sul II).

O tempo do Advento formou-se progressivamente a partir do século IV e já era celebrado na Gália e na Espanha. Em Roma, onde surgiu a festa do Natal, passou a ser celebrado somente a partir do século VI, quando a Igreja Romana vislumbrou na festa do Natal o início do mistério pascal e era natural que se preparasse para ela como se preparava para a Páscoa.

“A liturgia para esse período parte de uma liturgia expectante e bíblica. Nós normalmente trabalhamos a partir de uma espera, em que nós vamos de uma forma diferenciada, nos enchendo de Jesus a exemplo da bem aventurada Maria. Ela que ao final do tempo fica cheia do Espírito. Assim, também nós, durante o período do advento, a gente espera ficar cheios de Deus para assim deixar igualmente o Pai gerar Jesus em nossos corações”, aconselha.

Um dos muitos símbolos do Natal é a coroa do Advento que, por meio de seu formato circular e de suas cores, silenciosamente expressa a esperança e convida à alegre vigilância. A coroa teve sua origem no século XIX, na Alemanha, nas regiões evangélicas, situadas ao norte do país.

“Nós católicos, adotamos o costume da coroa do Advento no início do século XX. Na confecção da coroa eram usados ramos de pinheiro e cipreste, únicas árvores cujos ramos não perdem suas folhas no outono e estão sempre verdes, mesmo no inverno. Os ramos verdes são sinais da vida que teimosamente resistem; são sinais da esperança. Em algumas comunidades, os fiéis envolvem a coroa com uma fita vermelha que lembra o amor de Deus que nos envolve e nos foi manifestado pelo nascimento de Jesus. Até a figura geométrica da coroa, o círculo, tem um bonito simbolismo. Sendo uma figura sem começo e fim, representa a perfeição, a harmonia, a eternidade”, explica para continuar a reforçar a importância desta simbologia.

“A coroa teve seu começo numa tradição pagã europeia. E dentro dessa tradição, os primeiros missionários cristãos viram a possibilidade completa de cristianizar esse símbolo. Deram-lhe uma significação próprio. Cada uma das velas significa as quatro semanas do advento e cada uma possui uma cor específica. Vamos migrando de uma cor mais fechada como o roxo até uma cor mais aberta, para assim chegar a uma junção de cores brancas. E, quanto mais se aproxima o natal , vai indicando que nossa esperança vai se tornando uma realidade. Então essas velas significam a caminhada semanal onde aprofundamos a temática da esperança e da alegria da posse Daquele que nos vem”, afirmou.

Quanto a postura do cristão, o sacerdote orienta que a nossa espera é penitencial ,mas ao mesmo tempo alegre. “Se esperamos o Cristo significa que Ele virá. Se torna uma espera alegre onde já tomamos posse Daquele que amamos”, atesta.

Ainda na entrevista, o padre valoriza o Ano do Laicato como sendo motivação a mais para uma fiel vivência neste tempo. “Assumamos esse protagonismo. Os leigos tem fator essencial dentro do projeto de evangelização do Reino de Deus. Nossa Senhora, como sendo uma leiga aceitou o projeto. Gestou nela o próprio Jesus, Nosso Senhor”, enaltece.

A entrevista também será compartilhada no canal do Youtube do Programa Em Tuas mãos, após exibição na TV. Aproveite para se inscrever e ter acesso ao conteúdo do programa que vai ao ar semanalmente, mas com conteúdo diário na internet.

Com informações de Lívio Galeno

Por Vera Alice Brandão